Buscar
  • Sérgio Pflanzer

8 - O futuro das dietas: o que é planejado, por que, por quem e como? "Carne de laboratório"

Alimentos falsos e carne produzida em laboratório: é o futuro dos alimentos?


Vários atores econômicos e ideológicos estão atualmente pressionando por uma mudança de produtos de origem animal (POAs) para 'alternativas'. Os últimos consistem em produtos simulados (imitações derivadas de materiais vegetais) ou variantes cultivadas em biorreatores (usando fermentação microbiana ou a partir de células-tronco animais) [Tso et al. 2021]. Ao fazer isso, eles frequentemente se referem ao "Futuro da comida". Alguns até afirmam que isso levará ao fim da carne e dos laticínios, bem como ao colapso da produção animal antes de meados do século [Garcia 2019; Amigo 2019; RethinkX 2019].


O conceito certamente não é uma novidade. A produção de análogos de POAs decolou no início do século 20, quando os primeiros produtos foram gerados por John H. Kellogg e posteriormente comercializados pelas indústrias adventistas do sétimo dia. Os apelos políticos para as futuristas "carnes sintéticas" e para "alimentos fabricados" remontam, pelo menos, ao relatório "Crescimento populacional e o futuro americano" de 1969 [Rockefeller et al. 1969]. No entanto, a ideia da carne sintética já foi abordada décadas antes por Winston Churchill [Churchill 1931].


Comidas falsas


Os análogos de POAs são comercializados como semelhantes ao original no que diz respeito às suas propriedades sensoriais. Foi alegado, por exemplo, que produtos de carne falsa "cozinham, têm aparência e sabor" como o original, enquanto oferecem a mesma "satisfação suculenta, deliciosa e escaldante" [BeyondMeat 2017; Watson 2018; FoodProcessing 2020]. Alguns produtores até mesmo projetaram suas imitações de carne para 'sangrar' artificialmente [Judkis 2019]. No entanto, os análogos precisam mascarar sabores estranhos e se esforçam para fornecer a textura e o sabor adequados. É "um desafio replicar o perfil sensorial complexo e as mudanças temporais dinâmicas que ocorrem durante o consumo" [Tso et al. 2021].


Apesar de ser um segmento de mercado em crescimento, a aceitação do consumidor no público em geral ainda é baixa devido à insatisfação com as propriedades sensoriais, neofobia, preços elevados e / ou desconfiança dos produtores de alimentos [Tso et al. 2021]. Embora a marca dependa fortemente da razão de intercambialidade, o principal argumento de vendas consiste na promessa de valor agregado devido a alegadas vantagens em nível de saúde, meio ambiente e / ou bem-estar animal [Newburger & Lucas 2019]. Essa abordagem tem sido criticada por oferecer falsas soluções, ao mesmo tempo em que faz a lavagem cerebral “verde” e a lavagem cerebral nutricional de alimentos industrializados [Coggin 2019; Scrinis 2020; Tso et al. 2021], dentro de um contexto econômico e político mais.


POAs cultivados


Alimentado por grandes investidores que consideram a substituição de POAs por análogos como lucrativa, um número substancial de empresas iniciantes, principalmente situadas em Israel, EUA e Holanda, tem gasto bilhões de dólares para desenvolver o 'a carne de laboratório' conhecida também como 'carne cultivada' ou 'carne limpa' produzida a partir de células-tronco musculares [Bhat et al. 2019]. Devido à falta de material disponível para pesquisas abertas, suas características nutricionais, sensoriais e tecnológicas permanecem em grande parte desconhecidas. Permanece questionável, portanto, se a composição bioquímica extremamente rica da carne convencional originada de um animal vivo pode ser aproximada artificialmente.


Muitos dos componentes da carne são derivados de alimentos e modificados ou produzidos por órgãos não musculares, em vez de dentro das células musculares [Fraeye et al. 2020]. A composição da carne cultivada só poderia se aproximar da carne verdadeira se compostos como vitaminas, minerais, lipídios, etc. fossem fornecidos pelo meio e absorvidos pelas células [Kadim et al. 2015; Fraeye et al. 2020]. Além disso, resta saber se as propriedades sensoriais, como sabor e textura, podem se assemelhar às da carne, já que essas propriedades derivam de interações complexas de diversos componentes [Kadim et al. 2015; Bhat et al. 2019].


Do ponto de vista tecnológico, é extremamente desafiador produzir carne composta por várias camadas de células, devido às limitações na difusão de nutrientes e oxigênio [Bhat & Fayaz 2011]. Portanto, a produção de produtos cultivados semelhantes a bife ou costeletas de porco pode não ser alcançável em um futuro próximo [Hocquette 2016; Bhat et al. 2017; Bhat et al. 2019; Post et al. 2017]. Isso explica em grande parte por que as tentativas atuais se concentram em produtos altamente processados (por exemplo , hambúrgueres e nuggets), aos quais ingredientes texturizantes, corantes, aromatizantes e nutrientes são adicionados para remediar os déficits sensoriais e nutricionais [Langelaan et al. 2010; Fraeye et al. 2020].


Além disso, a carne cultivada não está pronta para competir em grande escala, e o aumento da escala do processo de produção é um grande desafio [Datar & Betti 2010; Kadim et al. 2015; Post et al. 2017; Specht et al. 2018; Stephens et al. 2018; Humbird 2020]. No caso improvável, em que isso se tornaria viável em breve, poderia assumir parte da produção convencional, o que poderia relaxar a produção e, potencialmente, permitir métodos mais agroecológicos e maior bem-estar animal. No entanto, isso provavelmente implicaria também que os produtores, impulsionados por investidores e acionistas, buscarão reduzir radicalmente o preço dos POAs que são produzidos convencionalmente por meio da criação de a

nimais. Eventualmente, isso deslocaria ainda mais a agricultura tradicional e concentraria ainda mais o controle sobre nossas dietas nas mãos de grandes corporações transnacionais com tecnologias especializadas [Kleeman 2020].


Embora muitas vezes promovidos como mais sustentáveis do que os POAs, esses sistemas consomem muita energia, produzindo emissões de gases de efeito estufa na mesma ordem de magnitude que as de carne suína e de aves (ou superior) e não necessariamente superiores à carne bovina, levando-se em consideração as complexidades subjacentes do potencial de aquecimento. Também implicaria que todos os benefícios ecológicos, culturais e sociais de uma produção animal, bem administrada, seriam perdidos no processo.


Fonte: https://aleph-2020.blogspot.com/2019/12/mock-and-cultured-asfs-future-of-food.html



2 visualizações0 comentário