Buscar
  • Sérgio Pflanzer

4 - Por que chegamos a um momento de crise e dúvida? Animal vs Vegetal

Item 1 - Discurso alimentar: a divisão animal / vegetal na era pós-verdade


A divisão animal / vegetal na era pós-verdade

Políticas alimentares, mídia de massa e ativistas cada vez mais retratam os vegetais como benéficos e os produtos de origem animais (POAs) como prejudiciais. No entanto, ambos os lados desse binário pouco informativo (vegetal / animal) representam grupos de alimentos heterogêneos, que podem ser benignos ou prejudiciais do ponto de vista ético, ambiental ou de saúde. É inútil basear políticas em tal categorização simplista, cuja conceituação remonta a um sistema de crenças que se originou no século 19, e agora é reforçado por ansiedades sociais e preconceito de 'chapéu branco' em um contexto pós-verdade.


Produtos de origem animal como um modelo para binarização

O discurso dietético é dominado por exageros e contradições. Uma análise de um livro de receitas mostrou que 40 dos 50 ingredientes comuns foram associados à proteção ou ao risco de câncer [Schoenfeld & Ioannidis 2013]. Produtos de origem animal, em particular, são descritos como benéficos e prejudiciais à nossa saúde [Leroy et al. 2018]. A ideia de que algo simultaneamente nos cura e envenena é referido na filosofia como “pharmakon”, um status ambíguo que também envolve o conceito "purificador" que vem de pharmakos (bode expiatório). Os animais têm um papel histórico e ritualizado como bodes expiatórios, carregando os pecados da humanidade, sobre os quais a narrativa de que da produção animal destrói o planeta parece estar se construindo [Leroy 2019; Leroy et al. 2020].


A produção animal e os POAs estão mudando marcadamente do status de pharmakon para o status de pharmakos. Em outras palavras, uma transição é vista de uma ambiguidade entre POAs (ruins) vs. plantas (boas), do qual o 'ruim' precisa ser expulso (isto é, bode expiatório). Caracteristicamente, os bodes expiatórios são estereotipados como monstruosos e indicativos do “Outro comum”, que é proclamado 'culpado' por uma multidão frenética, mas é incapaz de retaliar [Girard 2017]. Como entradas/saídas da sociedade, os animais desempenham esse papel com perfeição. Referências às monstruosidades de sangue e dejetos, “peidos de vaca” e “arrotos aquecedores do planeta”, “'menstruarão de galinhas (ovos)” e “pus de leite” são tipicamente usados por ativistas veganos para difamar a produção animal [Leroy et al. 2020]. Esses são os mesmos ativistas anti-especistas que desejam abraçar os animais de criação como seus iguais, o que pode ser lido como um paradoxo ou como um reflexo de auto aversão. Em qualquer caso, tudo isso é indicativo de uma tensão conceitual causada por uma visão de mundo construída sobre uma problemática da série de binários (Vida/Morte, Natural/Cultural, Puro/Tóxico, Bem/Mal, etc.).


Conceptualização do binário animal / vegetal nos países de língua inglesa


Para compreender a divisão animal/vegetal contemporânea, é necessária uma compreensão social e histórica de suas origens e dinâmica. Com as primeiras “sociedades vegetarianas”, fundadas por seitas religiosas e movimentos na Inglaterra e nos EUA, a ideia de que a saúde humana corrupta dos POAs tomou forma como ideologia institucionalizada nos países de língua inglesa (Anglosfera) do século 19 (alguns exemplos históricos de ascetismo alimentar e misticismo à parte) [Leroy e Hite 2020]. Ao rejeitar a vida terrena, esses movimentos (Cowherdites - Igreja Bíblica Cristã (vegetariana) e os adventistas do sétimo dia) começaram a promover uma dieta do Jardim-de-Éden, que foi ocasionalmente conectada a uma interpretação romantizada do vegetarianismo Hindu por teosofistas. Simbolizando riqueza e sensualidade, a carne vermelha estava em total desacordo com uma visão de moderação que renunciava ao mundo e, portanto, era retratada como pecaminosa em comparação com a suavidade dos grãos inteiros "virtuosos". Desde então, os vegetarianos têm se referido ao consumo de carne como uma perversão moralmente deficiente e desnecessária em termos de “consumo de cadáveres” [Plumwood 2000]. Mesmo agora que os ensinamentos religiosos se tornaram menos relevantes, sua influência duradoura nas crenças dietéticas é perceptível.


Devido à zelosa insistência dentro de um espírito da época, tais crenças “Reformistas Alimentares” entraram no campo emergente da economia doméstica, moldando as visões dietéticas do público e influenciando o discurso médico. Foi hipotetizado que isso pode estar na origem do que é o preconceito do usuário saudável de hoje [Leroy & Hite 2020], criando um artefato cultural nos dados obtidos da epidemiologia nutricional nos Estados Unidos, mas não (ou menos) em outras culturas e contextos. Os americanos de classe média alta, que são naturalmente mais saudáveis, geralmente comem menos carne vermelha e preferem grãos integrais. Como tal, eles são mais suscetíveis à 'alimentação moral' e à adesão obediente às diretrizes alimentares. Esse padrão é capturado por estudos observacionais que, em um ciclo de feedback positivo, confirmam e fortalecem ainda mais o conselho dietético original.

Pode não ser coincidência, portanto, que os movimentos veganos e vegetarianos sejam especialmente influentes nas áreas urbanas dos países de língua inglesa. A maioria deles tem um legado de liberalismo calvinista e utilitarismo anglo-saxão, enfatizando o conceito de auto propriedade do corpo [Plumwood 2000]. A autopreservação se torna o objetivo, de modo que a "morte" é um alvo de dominação e um local de salvação individual (em vez de compartilhada), mesmo em ateus vegetarianos liberais. Noções de tentação, queda individual, virtude pessoal e retidão frequentemente estão no cerne das formas militantes de vegetarianismo.


Reforço do binário por ansiedades sociais


Embora o vegetarianismo moral possa ser uma escolha pessoal informada e consciente, com base em questões éticas, alguns autores argumentaram que pelo menos parte de sua prevalência atual se deve a uma dinâmica mais ampla enraizada no mal-estar social. Os defensores do vegetarianismo frequentemente fazem parte das classes médias ocidentais e, portanto, estão sujeitos a ansiedades de status motivadas por uma crescente lacuna de riqueza com as elites. Isso normalmente encontra sua expressão na alimentação "moral" e em discursos sobre pureza alimentar, entrelaçados com sinalização de virtude, defesa de causas sociais e ativismo político.

Normalmente, isso é feito de um ângulo 'progressista', misturando vegetarianismo com feminismo, socialismo, anti-racismo, etc. [Veit 2015 , Finn 2017; Leroy & Hite 2020]. No entanto, também pode apelar para o lado de ultradireita do espectro político, dando expressão ao eco fascismo [Devi 1959; de Coning 2017; Forchnter & Tominc 2017; Buscemi 2015 , 2018a, b; Wikipedia]. Ambas as frações também contam com uma lógica ecológica, na tentativa de converter aqueles que não estão convencidos pelo argumento dos direitos dos animais [Kortetmäki & Oksanen 2020]. Em sua versão política radical, isso pode levar ao eco autoritarismo [Beeson 2010].


A perda do propósito individual em uma sociedade orientada para o status reflete o ressentimento, amplificado pelo "desejo mimético" [Girard 1972] e o aumento das disparidades de riqueza entre as classes médias e as elites. Isso está fadado a desencadear reações de bode expiatório e uma troca de valores (o que era bom e forte se transforma em vil e doentio) [Leroy 2019 ; Leroy et al. 2020]. O mecanismo de trans-valoração consiste em uma demonização de todas as representações convencionais de poder, sensualidade e luxúria, e uma glorificação da condição miserável de vitimização, geralmente incluindo um ódio à vida, ascetismo, uma negação das realidades da natureza humana e um desejo para eliminar o ressentimento por meio de vingança [Nietzsche 1886, 1887].


No processo de troca de valores, conotações historicamente benignas de POAs, como força, abundância, sensualidade e generosidade, que são particularmente válidas para carnes vermelhas [Leroy & Praet 2015], são invertidas em de morte, infertilidade, libertinagem e egoísmo [Leroy et al. 2020]. A pureza se acumula a cada ato de evitar a carne, à medida que se demonstra superioridade por ser capaz de recusar o que historicamente foi visto como os alimentos mais nutritivos. A violação desse estado santificado, acidentalmente ou devido à fraqueza, não apenas cria repulsa, mas também colapso do capital espiritual. Isso pode explicar por que os vegetarianos morais frequentemente não acham que vale a pena continuar após uma transgressão [Levy 2015].


Referências a uma ameaça comum, como 'catástrofe planetária' ou 'declínio moral', agem como uma narrativa unificadora para moldar a homogeneidade da multidão (e, assim, dissolver diferenças e desigualdades interindividuais) [Girard 1972]. Como argumentado acima, os animais o os POAs têm um legado de longa data como bodes expiatórios. Essa função agora é reciclada, levando a culpa excessiva tanto na saúde pública, quanto nos debates ambientais. No discurso ético, a carne se torna 'assassinato'. Parte (senão a maioria) do público está menos interessado na correção dos fatos do que nas recompensas sociais advindas de manter tais crenças de rebanho [Lomborg 2019 ; Clear].


Reforço do binário pela mídia em um ambiente pós-verdade


A criação de animais e dietas com alto teor de POAs não são isentas de problemas, mas seus efeitos na saúde e no planeta são contextuais [Leroy et al. 2020]. Infelizmente, há pouco espaço para um debate matizado no espaço público. A mídia de massa é movida pela dinâmica da isca de clique e pela chamada 'economia da atenção', levando ao sensacionalismo e a deturpações generalizadas das evidências científicas [Leroy et al. 2018]. Além disso, certos jornais são financiados por agendas ideológicas e político-econômicas para promover visões unidimensionais do sistema alimentar. Embora esses pontos de vista às vezes apoiem a produção animal, eles também podem ser hostis e estruturalmente tendenciosos (por exemplo , a série 'Animals Farmed' do The Guardian). As reportagens da mídia global sobre os impactos adversos dos POAs agora ofuscam a cobertura das contribuições positivas desses alimentos para a saúde, ecossistemas e meios de subsistência [Leroy et al. 2018; Marchmont Com 2019].


Para piorar as coisas, a era pós-verdade, e sua dependência da mídia social e de massa, abriu o caminho para o charlatanismo, a defesa e a manipulação do discurso dietético [Leroy et al. 2018 ; Marton et al. 2020]. Como a complexidade dificulta o processo de conversão da sociedade em um sistema de crenças dietéticas, o uso de slogans é amplamente difundido. Essas simplificações visam aumentar o poder de persuasão das mensagens a serem transferidas. Devido ao 'efeito de verdade ilusório', a repetição das mesmas mensagens eventualmente equivale à verdade [Dreyfuss 2017]. As referências frequentes a “autoridades científicas” perturbam ainda mais as águas [Leroy et al. 2018], seja porque os estudos são mal interpretados ou porque se presume erroneamente que os cientistas são sempre racionais e imparciais. Como argumentado adiante, isso está longe de ser o caso.


Reforço do binário pelas comunidades científicas e tecnocráticas


Os grupos populacionais com educação superior e os cientistas fortemente comprometidos com um ponto de vista ideológico são particularmente propensos a "preconceitos misteriosos", incapazes de perceber que derivaram suas crenças dos grupos sociais aos quais pertencem [Stanovich 2020]. Frequentemente, isso também é amplificado pelo 'preconceito do chapéu branco', ou seja, a distorção da informação a serviço do que pode ser percebido como fins justos [Cope & Allison 2010]. Na ciência dos alimentos, isso pode resultar na dependência de uma divisão animal / vegetal maniqueísta, deixando pouco espaço para nuances e meio-termo.

Como resultado, os POAS agora são retratados por vários cientistas como intrinsecamente nocivos. Em contraste, uma alimentação saudável e sustentável é equiparada a dietas "baseadas em vegetais", quase por definição [Leroy & Hite 2020], enquanto a última, é claro, depende da natureza da dieta em vez de sua origem vegetal ou animal [Gallagher et al . 2021]. A carne vermelha às vezes é rotulada especificamente como um 'alimento não saudável' junto com açúcar e grãos refinados, mesmo por alguns dos principais nutricionistas [por exemplo , Willett et al. 2019], contrastando com sua contribuição de longa data para as necessidades biossociais da humanidade (incluindo saúde) [Leroy & Praet 2015]. Além de serem excessivamente culpados por danos ambientais, os POAs são alvos de surtos de zoonoses e doenças relacionadas, incluindo a pandemia COVID-19 [Sp. Correspondente 2020].

Para cientistas com foco anti-animais, o objetivo muitas vezes parece justificar os meios, com uma mudança contínua de balizas para manter o binário animal / vegetal intacto. Uma vez que, após um exame minucioso, o dano real dos POAs à saúde e ao meio ambiente se mostrou menos catastrófico do que anteriormente alegado, o debate agora está mudando para 'custos de oportunidade ', ou seja, “oque poderiam ser obtidos como benefícios sem a criação de animais?” [por exemplo , Hayek et al. 2020]. Este último requer uma abordagem de 'sistemas alimentares' e o uso de modelos globais para simular e sugerir cenários 'ótimos'. Esses modelos não são apenas incapazes de capturar as complexidades do mundo real, eles também são relativamente flexíveis para acomodar o resultado desejado, selecionando especificamente para métricas de suporte e parâmetros subjacentes. Este é, por exemplo, o caso com respeito às suposições de uso da terra ou a intercambialidade nutricional de carne e leguminosas.

Vários autores criticaram o uso imprudente de abordagens de cima para baixo em sistemas variados [Gall 2012 ; Leroy et al. 2020; Scott 2020], e sua negligência nos eventos cisne negro [Taleb 2010]. Eles levam ao cientificismo no nível da formulação de políticas públicas e ao nutricionismo no caso de dietas [cf. Scrinis 2013], ao mesmo tempo que se traduz em políticas intervencionistas potencialmente prejudiciais. Isso não deve ser considerado secundário. Em um contexto político, tais intervenções públicas podem ter graves repercussões éticas sobre a responsabilidade individual e a liberdade, causar danos iatrogênicos e afetar o bem-estar social [Mayes & Thompson 2015]. O impacto final de uma mudança radical na produção de alimentos e na alimentação pode ser devastador, de fato, para a segurança nutricional especificamente, mas também em um nível social mais amplo.


Fonte: https://aleph-2020.blogspot.com/2019/05/introducing-narrative.html


7 visualizações0 comentário